peetransito - O Portal da Educação Emocional no Trânsito

Palestras de segurança no trânsito

Palestras de legislação de trânsito

Palestras de educação no trânsito

Palestras de Motociclismo consciente

Palestras motivacionais de segurança

Palestras para SIPAT

Palestras de Meio Ambiente e sustentabilidade

Palestrante de segurança no trânsito

Palestrante de legislação de trânsito

Palestrante de educação no trânsito

Palestrante de Motociclismo consciente

Palestrante motivacionais de segurança

Palestrante para SIPAT

Palestrante de Meio Ambiente e sustentabilidade

Palestras Motivacionais

Palestrante SIPAT

Campanha: Boas Festas, sem acidentes!

Por: Rodrigo Ramalho

Postado originalmente: polotransitoseguro.com  

Data de publicação: 20 de Dezembro de 2015

Boas Festas, sem acidentes!

Com as festas de fim de ano muitos acidentes acontecem. São momentos onde as pessoas celebram com festas e intensa alegria, entretanto muitas vezes, são surpreendidas com a notícia de um acidente grave. Enquanto toda a sociedade ainda não estiver consciente sobre os perigos do álcool e direção, ainda haverá tristeza e arrependimento para muitas famílias no Natal e Réveillon.

O Programa de Prevenção de Acidentes de Trânsito - GT CIPA POLO com o objetivo de conscientizar os usuários do sistema viário do polo industrial de Camaçari dissemina a mensagem simples e objetiva para o fim de ano: Boas festas, sem acidentes!

As comemorações do fim de ano devem ser seguras nas estradas para serem realmente inesquecíveis. Portanto, nos ajude a compartilhar a filosofia de festas seguras para todos!

O Poder de Polícia em outros países serviu de exemplo no combate ao álcool e direção no Brasil

Tanto os países da Europa quanto os da América do Norte autorizaram os policiais a exigir uma amostra respiratória ou realizar um teste de sobriedade dos condutores suspeitos de beber e dirigir. Isto já acontece desde o início dos anos 2000. Apesar de chegar com atraso em países emergentes como o Brasil, as leis que previnem o álcool e direção seguem no mesmo sentido.

A legislação desses países também concede aos policiais o poder de efetuar prisões, caso o condutor apresente um limiar superior ao permitido de álcool no organismo. Outros poderes (o de polícia, por exemplo) incluem o de entrar em locais, se necessário à força, a fim de encontrar o motorista embriagado envolvido em acidente. Na França, o motorista que se recusa a soprar o etilômetro é conduzido a realizar exame de sangue em delegacia. A meta francesa prevê submeter um terço dos motoristas habilitados por ano ao bafômetro. No Reino Unido, além do etilômetro, as autoridades podem exigir teste de sangue ou urina dos condutores suspeitos. Se o condutor não cooperar, é preso por até seis meses, perde o direito de dirigir por um ano e paga multa de 5 mil libras (aproximadamente R$ 20 mil).

Se você acha que esses procedimentos são apenas de países desenvolvidos, está enganado. A lei 11.705 (Lei seca) e suas resoluções (atualizações) já garantem as mesmas condições para que agentes e policiais possam coibir álcool e direção com mais rigor no Brasil. Portanto, fique atento! Pois dirigir embriagado pode ser mais do que perigoso: é crime! 

Como são estabelecidos os níveis de álcool tolerados

Os limites foram definidos tendo como base a concentração de álcool no sangue e os efeitos correspondentes a cada aumento de concentração. Levantamento do Governo Federal aponta que 52% dos brasileiros bebem ao menos uma vez por ano. Entre os adultos, mais de 46% dos homens admitem já ter bebido e dirigido. No Brasil, este hábito começa cedo, por volta dos 14 anos. Entre os adolescentes, 24% assumem consumir álcool uma vez ao mês.

Segundo a National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) dos EUA, as porcentagens de álcool para cada litro de sangue versus a incapacidade de direção estão listadas a baixo:

A partir de 0,02% funções visuais diminuem;

A partir de 0,05% diminuição da capacidade de fazer duas coisas ao mesmo tempo;

A partir de 0,08% funções visuais diminuem;
Diminuição da capacidade de fazer duas coisas ao mesmo tempo;
Diminuição da concentração;
Perda de memória de curto prazo;
Perda do controle da velocidade;
Redução da capacidade de processar informações (capacidade de ver placas ou sinalizações);
Diminuição da percepção;

A partir de 0,10% redução da capacidade de ficar na mesma pista da estrada e parar corretamente;

A partir de 0,15% Incapacidade substancial para controlar o veículo, prestar atenção às funções de direção e processar informação visual e auditiva.

Conheça nosso artigo sobre álcool e direção 2015

Fontes:

Polícia Rodoviária Federal (PRF);
Organização Pan-Americana de Saúde (OPS);
National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA).